Especialistas alertam que, se for aprovado com atual texto, orçamento da Saúde para 2021 sufocará ainda mais o sistema público, que não terá condições nem sequer de manter o legado da pandemia, como os leitos de UTI, ampliações em unidades de saúde e respiradores adquiridos

Produção: Brasil 247 - Foto: Isac Nóbrega/PR


247 - Entidades da área da saúde reivindicam um “piso emergencial” para custear o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Caso contrário, o orçamento da Saúde sufocará ainda mais o sistema, que não terá condições nem sequer de manter o legado da pandemia, como os leitos de UTI, ampliações em unidades de saúde e respiradores adquiridos, denunciam especialistas na área.


A área da saúde já perdeu R$ 22,5 bilhões no orçamento após o teto de gastos se aprovado em 2017. O consultor técnico do  Conselho Nacional de Saúde (CNS) Francisco Funcia calcula até agora em R$ 35 bilhões a perda de recursos diretamente para o SUS no ano que vem. 


Pela proposta do Conselho, como apontou reportagem do jornal Estado de S.Paulo, a ideia é garantir um piso com os gastos extras que foram autorizados este ano para o enfrentamento da covid-19. O orçamento do ano que vem para o ministério partiria do que foi autorizado a gastar este ano, incluindo o reforço para o combate à pandemia, e também ficaria livre do teto de gastos, assim como ocorreu em 2020.


A reportagem acrescenta que, além da necessidade de dinheiro para a vacinação, demandas represadas de atendimento do SUS por causa dos efeitos da pandemia devem pressionar o gasto, na avaliação do especialista em orçamento da área de saúde do Senado, Bruno Moretti. “Em 2021, o teto de gastos exerce uma pressão tamanha pela despesa que a chance de estourar é muito forte. Fica muito evidente a necessidade do piso emergencial, com os recursos não sujeitos ao teto”, defendeu Moretti.


Leia Mais
Edição: portal Brasil 247 e Web Rádio e TV Muira-Ubi

Deixe seu Comentário